NÚCLEO DO PORTO

RUA JOAQUIM TÁVORA Nº 80,
VILA MATIAS - SANTOS SP
TELEFONE: (13) 3225-5428

A ELEIÇÃO ACABOU, A LUTA ESTÁ COMEÇANDO!

Apurado o último voto, definida a reeleição da candidata progressista, surgem as manifestações de alegria de quem lutou para que isto acontecesse. E a parte contrária por sua vez se vê obrigada a aceitar o resultado. Mas isto foi apenas no primeiro momento, quando as expectativas de ambos os grupos eram de um resultado favorável. E agora não se trata mais de comemorações, de abraços e cumprimentos. Quem tem a visão de que ganhar a eleição não é suficiente e não bastam os votos a mais, precisa agora fazer a avaliação de como implementar os programas, as propostas principalmente no campo social em suas mais diferentes organizações. E que não podem ficar na dependência da iniciativa de quem está no comando de um país com dimensões continentais, onde as mais diferentes regiões tem muitos e grandes problemas.Mais do que nunca se faz necessária a avaliação de como promover encaminhamentos com a participação coletiva, precedidos de discussões amplas que levem em consideração o potencial de atendimento. Este é o caso, por exemplo, do movimento sindical. Que ao longo dos anos, desde a implementação de legislações que reconheceram a organização legal, tem enfrentado os problemas e buscado alternativas, com dificuldades sem conta, acumuladas nos últimos anos pela falta de esquemas de politização, o que tem afastado parcela significativa dos trabalhadores das lutas de sua Entidade. A classe patronal, por sua vez, tem como objetivo manter e aumentar seus lucros. E para tanto, promove estudos e pesquisas e adota medidas as mais diversas, como a transferência das sedes de Empresas, a terceirização e até quarteirização, que divide as categorias de trabalhadores num mesmo ramo de trabalho ou Empresa. Há outras questões, como a pressão que é exercida em cada local de trabalho para diminuir custos.E demissões. Há muitas outras questões que levam em conta a categoria profissional nos seus mais variados ramos empresariais. Como a classe trabalhadora vai conseguir superar tais dificuldades? E qual deve ser o papel do Governo em tais questões, levando em consideração que se trata de um sistema igualitário, com a representação tanto da classe patronal como dos trabalhadores.? A resposta é simples,ou seja, a organização operária agindo com unidade e mobilização, vai levar o Governo e outro setor importante, o Congresso Nacional, a discutir as propostas e reivindicações. Este é o grande desafio a ser enfrentado sem demora. Não dá para ficar esperando propostas e encaminhamentos governamentais, nem tentar apenas modificar projetos e deliberações seja quais forem as origens. Qual a forma de mobilização? E como unificar as lutas? As Centrais sindicais, por certo, tem uma grande responsabilidade e em muitas oportunidades já foram realizadas manifestações unificadas, com a elaboração de uma pauta de reivindicações, essencial para motivar a participação de trabalhadores de todas as categorias. A conclusão a se tirar é que desde já, as direções sindicais precisam partir para as discussões dos encaminhamentos. Com a devida divulgação, para que as bases comecem a ser motivadas. O momento exige ação, reflexão, debates e preparo adequado de quem está na luta por uma sociedade igualitária, pelo socialismo.

Uriel Villas Boas - Setor Previdenciário da Fitmetal/CTB - Coordenação do MAP.LP- Movimento de Aposentados e Pensionistas do Litoral Paulista - Direção da ASIMETAL/Associação de Aposentados Siderúrgicos e Metalúrgicos do Litoral Paulista - 29.10.2014

facebook-1 twitter

Porto e Poesia

Visitantes on-line

Temos 18 visitantes e Nenhum membro online